quinta-feira, setembro 08, 2005

Não podia deixar de dizer isto...

Escrito por Elise às 10:00 da tarde

14 Comments:

Pois é Elise.
Chama-se sociedade de consumo.
Uma tristeza os valores que regem os homens hoje em dia.
Em primeiro lugar o espectáculo, e entre os dois acontecimentos, um tinha mais halofotes que o outro. E cocktail.
Junto-me sem restrições ao teu protesto.
Um beijo
Blogger Al, at setembro 08, 2005 10:49 da tarde  
Pois é, Elis

Um país cheio de problemas e o Sócrates a ver implosões.
Lindo.
Bjs
Blogger Canto Azul ao Sul, at setembro 08, 2005 11:07 da tarde  
Poís é kida, é este o país que temos, nem digo mais nada para não me irritar. A chuva continua, estás sem sorte caramba. BJH
Blogger maresia_mar, at setembro 09, 2005 10:21 da manhã  
pois... são os muitos minutos de noticias futeis para os parolos consumirem!!! É triste!
Blogger BastonadasNacionais, at setembro 09, 2005 10:31 da manhã  
Eu fiquei simplesmente abismada... Enfim, sem mais comentários.

Já voltaste?
Blogger mamã Diana, at setembro 09, 2005 11:05 da manhã  
Não entendi a tua questão-desabafo. Quanto à prisão do padrasto do Daniel acho que 1 minuto chega muito bem. Já a demolição é evidente que houve um manifesto exagero. Ainda assim o que me preocupava era se os números fossem ao contrário, como no caso da Joana. E este não é o país que temos. É o critério editorial que a direcção de informação seguiu. Que não anda muito longe do que se faz em muitos outros países.
Blogger Francis C. Afonso, at setembro 09, 2005 11:33 da manhã  
Só mais uma: se tivesse sido o Santana, o episódio ridículo - que seria sempre ridiculo, como foi - teria sido uma "trapalhada".

Como foi o Socrates, não só foi normal, como teve direito a convidar as figuras de Estado e a excluir o representante sindical que barafustou como uma virgem ofendida.

Caro Francis, o único critério editorial é a falta de critério editorial. É apenas conforme apetece e consoante o que há para encher o espaço entre os blocos publicitários.
Anonymous carneiro, at setembro 09, 2005 11:57 da manhã  
Ver as notícias tornou-se um exercício difícil. As prioridades estão todas trocadas, viciadas e são sugeitas a interesses corporativos ou comerciais. Houve melhor golpe publicitário que esta implosão? Publicidade «gratuíta» nos quatro canais. Enfim, é o que temos.
Blogger smartins, at setembro 09, 2005 11:58 da manhã  
Um minuto é suficiente para dar a noticia do daniel. Mais qualquer minuto que se gaste com esse assunto enquanto decorrerem as averiguações será alarmismo, voyeurismo e mau jornalismo. Fiquei contente por só terem noticiado os factos tout-court. Não tenho é a certeza de só lhe terem dado um minuto por mor de alto profissionalismo ou porque ainda não estava pronta a peça com os vizinhos a dal palpites, a mãe a chorar e a torcer a t-shirt e o telefonema duma senhora que em tempos passou por aquela rua a caminho das termas e que agora está melhorzinha e mora em Lausanne.
A implosão foi patrocinada por um tipo com MTO dinheiro. Aos tipos com MTO dinheiro dá-se tempo de antena no prime time. Infelizmente não era assunto escatologico, dirão alguns editores de informação, mas não se pode ter tudo.
Blogger eduarda maria, at setembro 09, 2005 12:45 da tarde  
Elise... o DouglasP e o Coelhinho desafiam-nos para a finalissima das piores capas de disco... kumé? Contra-ataque?
Blogger BastonadasNacionais, at setembro 09, 2005 2:10 da tarde  
É o equilíbrio próprio da comunicação social...
Blogger O Micróbio, at setembro 09, 2005 4:07 da tarde  
Olá amiga tens um convite no crepúsculo, para ti. Beijinhos
Blogger Adryka, at setembro 09, 2005 5:47 da tarde  
Pos é... eu bem digo que a Comunicação Social anda "vendida" aos políticos...

Um abraço e bom fim de semana :)
Blogger Menina_marota, at setembro 10, 2005 11:57 da manhã  
E o povinho assiste a isto impávido e sereno... nem o povinho pensa muito no assunto.
Para quê? A seguir ao telejornal dão 3 horas seguidas de novelas!
Isso é que interessa!
Blogger Douglas P, at setembro 13, 2005 1:06 da tarde  

Add a comment

Links to this post:

Criar uma hiperligação