quinta-feira, abril 20, 2006

Desafio Solidário

Escrito por Elise às 11:10 da manhã

15 Comments:

Tks =)
***
Anonymous Golfinho, at abril 20, 2006 12:21 da tarde  
ai ai... o pior vai ser escolher... prometo colaborar mal tenha um bocadito.. bjhs
Blogger maresia_mar, at abril 20, 2006 1:46 da tarde  
golfinho, não é preciso agradecer!

maresia, quando puderes!

beijos aos dois!
Blogger Elise, at abril 20, 2006 2:47 da tarde  
golfinho, não é preciso agradecer!

maresia, quando puderes!

beijos aos dois!
Blogger Elise, at abril 20, 2006 2:47 da tarde  
Minha querida, já sabes o que penso sobre este tipo de organizações de "caridade social", sendo a esmagadora maioria delas associações sem fins lucrativos - ficam isentos de impostos - que vivem dos subsídios da Segurança social e têm como principal finalidade garantir o emprego da Presidente e de mais algumas amigas...

Obviamente que há excepções, e muito meritórias, regra geral na dependencia directa de hierarquias religiosas.

A caridade só a faço directamente. Vou lá, vejo como é. Percebo quem manda, vejo o que se faz.

À distancia, nunca.

É que a "caridade" social transformou-se num negócio em que os intermediários são os principais beneficiários. Existe uma nova profissão que é a de "Presidente de Associação de Apoio às vítimas de qualquer coisa".

Seria engraçado obter-se do Ministério da Solidariedade Social a lista das Associações e Fundações que recebem subsídos e respectivos montantes. E comparar esses montantes com as receitas próprias. O que permitiria concluir que essas Senhoras Presidentes de associações de caridade Social dependem em absoluto do OGE e a Associação que fundaram é um mero pretexto para se ter arranjado um emprego pago pelo Estado, mas sem horário para se cumprir.

E aqueles que são honestos no meio disto tudo, certamente que não terão medo em mostrar contas e explicarem como funcionam. Até para não serem metidos no mesmo saco...

É que juntar 10 infelizes crianças com Sida e depois dar-lhes casa, comida, educação e apoio a um preço dez vezes superior ao que o Estado pagaria se essas crianças estivessem numa instituição publica, é um mau negócio para os contribuintes.

Obviamente que este tipo de situações custam muito mais dinheiro per capita, pois há que alimentar quem vive deste negócio...

Dantes os pedintes ainda exibiam os próprios aleijões para suscitar a caridade do doador. Hoje em dia, andam por aí umas "Tias" a exibir os aleijões de terceiros - até crianças com sida - para obter o mesmo efeito.

Desculpa o azedume, mas este "negócio" é-me particularmente repulsivo.
Anonymous carneiro, at abril 20, 2006 4:32 da tarde  
"Obviamente que há excepções, e muito meritórias, regra geral na dependencia directa de hierarquias religiosas" "
A caridade só a faço directamente. Vou lá, vejo como é. Percebo quem manda, vejo o que se faz."

exactamente carneiro! não foi por acaso que referi esta associação. e nós já falamos sobre isto e pensei que poderias indicar uma que conhecesses bem.
beijos querido amigo.
Blogger Elise, at abril 20, 2006 4:46 da tarde  
Querida Amiga, a associação que indicas só explica quem foi o Padre Damião. Certamente um Santo Homem. Percorrido o site não encontro nada de concreto, de palpável que permita ver uma cara, uma identidade de quem personaliza na via quotidiana os fins associativos enunciados.

É tudo anonimo.

Não ponho em causa a honestidade da Associação. Mas seria bom que dessem mais elementos identificativos, para não serem apenas mais uma organização sem cara ou rosto.

Assim, como se apresentam, correm o risco de serem metidos no mesmo saco.

"nasceu da solidariedade e da vontade das pessoas" - Que pessoas ?

Utilizando o nome de um Padre, será uma organização da Igreja Católica ou de outra confissão ?

Se é uma organização laica, porque utiliza tanto o exemplo do Padre damião e citações da Irmã Teresa de Calcutá ?

Desculpa, querida amiga, mas lendo o site, eu não fico esclarecido. Não percebo se é de gente séria se é só mais uma da tanga.

A "recolha de donativos" consta lá, isso é que é a verdade. E pode ser para o bem ou para o aproveitamento.

Enfim, sem mais informação não fico esclarecido. E nos tempos que correm mais vale termos cuidado.
Anonymous carneiro, at abril 20, 2006 5:04 da tarde  
tens morada, telefone, email, fax. eles tiram as dúvidas.
Blogger Elise, at abril 20, 2006 5:10 da tarde  
Não vale a pena afinares comigo.

Eu coloquei-me no papel do "advogado do diabo", ou seja, no papel do céptico. Até para contribuir para que se eliminem as dúvidas. Para não serem "metidos no mesmo saco".

A vantagem de um site é facultar informações que não seja necessário obter por telefone, email, fax ou pessoalmente.

Se tenho que lá ir para ficar informado, então o site não serve para nada.
Anonymous carneiro, at abril 20, 2006 5:29 da tarde  
carneiro, eu conheço-te. vais lá e tiras as dúvidas.

ou então podes dar o contacto de uma associação ou entidade da tua confiança.

como quiseres.

marradinha para ti, vou fazer 40' de bicla.
Blogger Elise, at abril 20, 2006 5:36 da tarde  
Elise, desculpa, não queria nada disto.
Eu, acredito em ti!
O Porto já é campeão, é o que interessa :))
Anonymous Golfinho, at abril 20, 2006 9:22 da tarde  
golfinho, eu e o carneiro somos amigos, já nos conhecemos pessoalmente, não há atrito nenhum!

o carneiro tem todo o direito de levantar questões válidas.

beijos :)
Blogger Elise, at abril 20, 2006 11:34 da tarde  
Para quem não saiba, o carneiro é o "saco de boxe" da Elise. Serve para estimular o contraditório, para "isto" não ficar uma enjoada unanimidade.

Ademais, se não fosse o Nesso - é sempre um aborrecimento quando existem maridos, ainda por cima, boas-pessoas - o carneiro já a teria raptado para serem felizes no alto de uma montanha...
Anonymous carneiro, at abril 21, 2006 12:06 da tarde  
saco de boxe? NUNCA!!! kaneiu wuanzudo... :)
Blogger Elise, at abril 21, 2006 12:26 da tarde  
Não conhecia a Associação Mãos Unidas, mas mal possa, vou lá dar uma olhada.
Um abraço carinhoso e boa semana :)
Blogger Menina_marota, at abril 26, 2006 8:52 da manhã  

Add a comment

Links to this post:

Criar uma hiperligação